Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006

O IRAQUE E O FUTURO

000qtp0s

Falar do futuro do Iraque em termos de projecção de avaliação-julgamento de erros passados (cometidos por eles e contra eles) pode ser bom para exibir medalhas de razão mas, do ponto de vista das pessoas iraquianas, não passa de um exercício cínico. Cinismo esse que atinge o cúmulo quando se ostentam alegrias mal disfarçadas com o aumento imparável de vítimas do fraticídio iraquiano.

 

O “erro americano” (melhor, “erros”) no Iraque somou-se a outros “erros”. A própria existência do Iraque, enquanto xadrez de identidade nacional, deve-se a uma mera “resolução pós-colonial britânica” (parecida com a “solução Jugoslávia”). Tal como a fabricação da independência do Koweit. E aquele mosaico sunita-xiita-curdo sobreviveu durante décadas apenas por mercê do autoritarismo implacável e despótico do Partido Baas que foi capaz de o exercer porque o partido era uma emanação de uma facção dos oficiais das Forças Armadas e se apetrechou de uma imensa máquina repressiva disponível para a prática do genocídio quando fosse caso disso. E a “estabilidade iraquiana”, com Sadam, suportou-se numa supremacia sunita (minoritária) opressora das regiões e identidades xiita e curda. Nem o facto de a religião muçulmana ser praticada pelas três “partes” foi elemento unificador – a rivalidade entre os cismas xiita/ sunita foi e é mais divisor que o poder unificador do Corão comum, os curdos, mesmo islamizados, não são árabes e estão retalhados em três opressões (iraquiana, iraniana, turca).

 

A Jugoslávia aguentou-se sob a ditadura de Tito (um croata a dirigir uma supremacia sérvia) mas desfez-se, no caso com a morte do ditador, em conflitos ainda não terminados assim que as rivalidades e as memórias dos crimes cruzados tiveram espaço de desenvolvimento. E não se vê quem explicitamente (exceptuando os órfãos do “socialismo real”) defenda o regresso da Jugoslávia à ditadura para reunificar os cacos étnicos balcânicos. Pelo contrário, há expectativas benevolentes para com a finalização da fragmentação, como foi o caso último do Montenegro e será o próximo caso do Kosovo.

 

Mais do que prolongar-se indefinidamente a “acusação dos erros americanos” (que foram clamorosos e inadmissíveis), o caos iraquiano (com o seu cortejo diário de vítimas e mais vítimas) impõe que se olhe de frente a realidade de que o Iraque vive uma sangrenta guerra civil que urge por termo. E a ligação da “invasão americana” com a actual situação de fatricídio no Iraque, é válida se encarada como uma antecipação do inevitável para quando Sadam morresse ou caísse ou, por qualquer razão, se desfizesse a supremacia ditatorial do Baas. Ou seja, quando lhe chegasse a “hora jugoslava”. Que chegaria, com ou sem invasão. E, hoje, não são os “invasores” a fonte dos problemas iraquianos. É isso sim, a forma como, a tiro e á bomba, os iraquianos se estão a matar uns aos outros por causa de rivalidades endógenas.

 

O fim da guerra civil no Iraque, a solução política para tal, deve predominar como sensatez na avaliação do problema iraquiano. Que deve ser pensado em termos de futuro pacífico – para a região e para os habitantes do Iraque. O resto é querer levar a julgamento, esgotando-se aí, o ajuste de contas político-clubista com o relógio da história e os erros passados.

Publicado por João Tunes às 15:26
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO