Domingo, 29 de Junho de 2008

68, O “ANO HORRÍVEL” (POST 4/5)

 

IV – O PROBLEMA CHECOSLOVACO
 
Apesar do compromisso prévio de que a “questão checoslovaca” não fosse sequer discutida na Conferência Internacional de 1969, muitas delegações pronunciaram-se sobre ela, uns pró-invasão e outros condenando-a. Era quase impossível evitá-lo, tanto mais que os documentos e as posições formais e oficiais definiam a completa ausência de um centro decisor no movimento comunista, advogavam a não ingerência nos assuntos internos de cada partido e a responsabilização particular por cada partido no poder de definir soberanamente o rumo das suas questões internas e nacionais. Ora, a invasão da Checoslováquia por forças militares de cinco países do Pacto de Varsóvia em 1968, substituindo a equipa que exercia o poder (no partido e no Estado) e que inclusive incluiu a prisão e tortura do principal dirigente comunista (Dubcheck), representou uma das violações mais grosseiras de todos os princípios de autonomia e não ingerência, perante um Estado independente e o Partido Comunista que o dirigia.
 
Gustav Husak, o novo dirigente checoslovaco imposto pelos soviéticos, tinha sido quem colocara a questão da não discussão na Conferência do “caso da Checoslováquia” numa evidente tentativa de se eximir a que a sua legitimidade fosse posta em causa. Usou, como argumento para se furtar às críticas, que se tratava de um “assunto interno” do partido checoslovaco. Argumento este verdadeiramente espantoso ao ser usado por quem se sentara há poucos meses na cadeira do poder absoluto mercê da forma mais brutal de ingerência, a operada por meios militares que fora virada contra a vontade dos comunistas da Checoslováquia. No entanto, Husak, constatando que alguns delegados não se eximiram em criticar a invasão da Checoslováquia, acabou por ser ele, na Conferência, um dos principais teorizadores do auto-limitação do princípio da “soberania socialista” aplicada a um Estado-satélite, argumentando:
“A nossa própria experiência demonstra que a palavra de ordem da soberania, desprovida de um conteúdo de classe, é uma subtil e muito eficiente arma das forças oportunistas de direita, revisionistas e antisocialistas.”
Esta intervenção de Husak (o chefe da “normalização checoslovaca” que custou a expulsão dos seus empregos a muitos milhares de antigos activistas da “Primavera de Praga” e a expulsão do PCC de meio milhão de militantes comunistas) foi apoiada com a mesma dureza cínica por outros dirigentes comunistas no poder. Em contrapartida, os acontecimentos na Checoslováquia foram denunciados resolutamente pelo romeno Ceauscescu (a Roménia recusara-se a enviar tropas para a Checoslováquia), pelo italiano Berlinguer, pelo espanhol Carrillo e pelo australiano Aarons.
 
Quanto a Álvaro Cunhal (o PCP fora um dos partidos que apoiara a invasão), sem se referir expressamente ao “caso checoslovaco”, teorizou sobre a “soberania limitada” dos países socialistas:
“Nenhum partido poderá jamais dizer que fez a revolução apenas com as suas próprias forças internas de um país em que triunfe a revolução proletária pois não poderão por si sós assegurar, frente ao imperialismo, a consolidação da vitória alcançada e o desenvolvimento e a defesa da sociedade socialista.”(…)”Se pela agressão do imperialismo, ou pela acção das forças contrarevolucionárias, o poder dos trabalhadores se visse ameaçado num país socialista, o dever sagrado dos restantes países socialistas e de todo o movimento operário internacional é acudir em sua defesa.”
 
 

Nota: Ler os anteriores posts desta série (1, 2, 3).

Publicado por João Tunes às 18:21
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO