Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006

TARRAFAL E HISTÓRIA

000hfxh9

A efeméride dos 70 anos decorridos sobre a abertura do Campo de Concentração do Tarrafal (na localidade de Chão Bom, Ilha de Santiago, Cabo Verde) podia e devia servir para desmistificar os logros do branqueamento na história, mitos e outros silêncios associados na escrita e reescrita da memória. Num esforço para que o passado histórico não se associe a uma recriação da propaganda e não sobreviva como registo exclusivo de meias verdades, silêncios e heroificações trabalhadas.

 

- O Campo de Concentração do Tarrafal funcionou em três períodos: de 1936 a 1954, como campo de exílio e extermínio para presos políticos portugueses e outros europeus; entre 1961 e 1974, para militantes e combatentes dos movimentos africanos anti-coloniais; no período da descolonização de Cabo Verde, para prisioneiros considerados cúmplices do aparelho repressivo colonial, inimigos da independência e do PAIGC (no seu ramo caboverdiano e antes de se transformar em PAICV). E se a primeira fase de funcionamento do Campo é relativamente bem conhecida, testemunhada e documentada (destaco a tese de mestrado de Nélida Maria Freire Brito, historiadora angolana de origem caboverdiana, publicada em livro pelas edições Dinossauro, sob o título "Tarrafal na Memória dos Prisioneiros"), a segunda e terceira fase ainda esperam por um mínimo de trabalho historiográfico. E, no entanto, nas três fases, o Campo foi o mesmo, no mesmo local, com uma ou outra diferença de condições e tratamento, cumpriu o mesmo objectivo (confinamento e aniquilação de opositores políticos) e merece o mesmo repúdio. A distinção exclusivista da primeira fase não é um completo tributo à história e à memória e, no mínimo, padece de eurocentrismo (ao sobrevalorizar a fase do padecimento dos presos políticos portugueses antifascistas) e de filtro ideológico (ao não contemplar a reutilização de um instrumento prisional colonial ao serviço, na fase pós-colonial, de um “movimento de libertação” contra os seus opositores e inimigos).

 

- O modelo da concepção e da implantação do Campo do Tarrafal, desmentindo os pruridos dos que dizem que o salazarismo “não foi um fascismo”, foi copiado dos modelos nazis e foi, na escala portuguesa, um decalque de Dachau ou Buchenwald. Ou seja, locais de extermínio para minorias activistas recalcitrantes à aceitação da ditadura. A par da PIDE, da Legião, da Censura e da Mocidade Portuguesa, o Campo foi um sinal da tendência copista dos modelos repressivos e de enquadramento do nazi-fascismo.

 

- Embora a maioria dos prisioneiros na primeira fase do funcionamento do Campo tenham sido militantes comunistas, o universo prisional foi mais vasto, incluindo anarquistas, sindicalistas-revolucionários, republicanos democratas, espanhóis derrotados na Guerra Civil e alemães anti-nazis. E, entre os 32 prisioneiros que perderam a vida no Campo, além do então Secretário-Geral do PCP (Bento Gonçalves), inclui-se o principal líder sindicalista-revolucionário, Mário Castelhano.

 

- Como em qualquer universo prisional concentracionário, o Campo não foi só uma revelação, da parte de todos os prisioneiros, de comportamento heróico, exemplar e destemido perante uma repressão processada em condições limite para a força da resistência humana. Ao lado dos mártires impolutos, casos existiram de presos que se passaram para o lado dos carrascos ou a eles, em forma clara ou mitigada, deram mais colaboração que solidariedade aos seus companheiros. “Passagens” para o lado dos carcereiros deram-se não só na primeira fase como na segunda em que lá penaram combatentes africanos (por exemplo, a facção guineense que alinhou com a PIDE na acção de posterior infiltração no PAIGC e que culminou com o assassinato de Amílcar Cabral, foi “trabalhada” no Tarrafal). Igualmente há uma marca extremamente negativa do comportamento generalizado dos prisioneiros europeus do Campo e que muito se tenta fazer esquecer - a do seu racismo anti-africano manifestado quer para com os militares angolanos que ali fizeram serviço de guarda quer para com a população caboverdiana do meio envolvente.  

 

- Pelo isolamento, pelas condições de internamento, pelo humano desejo de sobrevivência, pela dinâmica das evoluções políticas e ideológicas, com muitas fracturas pelo meio, o Campo foi uma enorme fonte de intensidade de debate e alinhamentos e realinhamentos que marcaram o posicionamento político de muitos dos prisioneiros, nomeadamente entre os comunistas. Ali, nomeadamente, ganhou expressão considerável a facção da “política de transição” (que admitia, nela apostando, uma via pacífica de transição do fascismo para a democracia) que levou ao ostracismo violento de vários dirigentes destacados do PCP (caso de José de Sousa, que consumou ainda no campo a ruptura) e uma mancha curricular sobre outros. Por exemplo, a mitigação do culto de Bento Gonçalves pelo PCP e que ainda hoje perdura, deve-se às “manchas” que são atribuídas às posições políticas que ele adoptou no campo (e a denúncia dos seus “erros” nunca teve expressão muito evidente porque, entretanto, não sobreviveu às agruras do Campo e assim nunca representou um “perigo político” para a linha cunhalista). Mas outros dirigentes comunistas sobreviventes (Júlio Fogaça, Militão Ribeiro, etc) haveriam de “pagar” mais tarde pelo ferrete dos “erros” das posições defendidas no Tarrafal. Pese embora o viciado e vicioso jogo de história-propaganda que o Tarrafal continua a alimentar na memória permitida e autorizada do PCP (leiam-se as observações de Pacheco Pereira ao livro recentemente lançado pelas Edições Avante), em que a “história oficial” é a que retrata aquele partido como uma organização monolítica e sem falhas nem contradições, seguindo sempre, como uma procissão militante, o itinerário político-partidário de Cunhal. Razão bastante para o PCP continuar a querer que os historiadores andem bem longe dos seus arquivos.

Publicado por João Tunes às 15:58
Link do post | Comentar
11 comentários:
De jabmadeira@hotmail.com a 31 de Outubro de 2006 às 20:39
Sr João Tunes

Sou um dos muitos leitores anónimos e bastante assíduo do seu site, o qual confesso me agrada normalmente ler. Daqui o meu desacordo pela comparações empregues, mesmo salvaguardando as dimensões, quando considera um decalque o Tarrafal com Dachau.
Pelo respeito que nos devem merecem os 200 000 prisioneiro que ali foram detidos, e os mais de 30 000 mortos registados, entre os quais cerca de 2 dezenas de portugueses provavelmente descendentes de judeus expulsos de Portugal nos séculos XVI e XVII e que se declararam portugueses por ocasião da detenção na esperança de assim poderem escapar a morte certa, com os 32 mortos no Tarrafal, parece-me uma desproporcionada comparação. Bem certo nos merecem igualmente o maior respeito e homenagem os políticos e militares (Continentais), os que participaram na revolta da Madeira de 1931 e normalmente sempre esquecidos em favor dos comunistas. Mas dai até desfocar, ainda que talvez sem intenção, os factos históricos como o senhor acaba por fazer, apenas contribui para que futuramente as suas opiniões não sejam tão consideradas como anteriormente.
Os meus melhores cumprimentos.
João Botelho
De João Tunes a 31 de Outubro de 2006 às 22:48
Sr. João Botelho, se não se importa releia o post onde digo: "foi copiado dos modelos nazis e foi, na escala portuguesa, um decalque de Dachau ou Buchenwald". O que é que a contabilidade do número de vítimas, para dois universos desproporcionados de aniquilamentos, colide com a comparação dos modelos? E também frisei que os prisioneiros não foram só comunistas. Onde está o "desfocar"? Para terminar, acredite que vou continuar a exprimir-me como penso e estou absolutamente nas tintas que as minhas "opiniões não sejam tão consideradas como anteriormente". Se fosse por aí, há muito tempo que já tinha metido a viola no saco e ainda não entendi que chegasse essa hora. Quando chegar, a decisão será só minha. Cumprimentos.
De joao botelho a 1 de Novembro de 2006 às 11:41
Pensei pouco no que escrevi, e as minhas palavras acabaram por deixar transparecer aquilo que não era minha intenção dizer. Depois de ler a sua resposta cheguei a mesma conclusão do senhor, e conclui ter sido não ligeiramente pedante e ate mesmo indelicado, sem nenhuma razão para isso. Não fui mal interpretado, apenas não me soube foi exprimir correctamente, um pouco fruto da velocidade da net. As minhas sinceras desculpas pela indelicadeza.
Sobre a escala dos factos não concordei muito com ela, mas também não deixa de ser um detalhe no conjunto do seu artigo. Apenas acrescento, que Salazar iniciou as deportações de opositores políticos do continente, primeiro para Madeira e Açores, e depois para o Porto Santo e Cabo Verde após o Revolta em 1931, dependendo das causas de origem das detenções desde que assumiu o poder. O campo foi o seu seguimento.
Cumprimentos
De João Tunes a 1 de Novembro de 2006 às 15:37
De Pedro Cruz a 21 de Abril de 2014 às 15:50
Exmo. Senhor João Tunes,
Acabado de visitar o campo de Chão Bom, procurando mais informações, deparei-me com este S/ artigo/reflexão que me pareceu muito interessante (embora já tenha percebido que escreve essencialmente para si próprio, ainda assim deixo-lhe o meu elogio, agradecendo que o não tenha feito num diário ou num escrito esquecido numa gaveta). Confesso que a visita me deixou algumas perplexidades e por isso procuro mais informação. Cresci a ler e a ouvir os discursos acerca do Campo de Concentração do Tarrafal e o que vi de certo modo surpreendeu-me. Vi a «Holandinha», vi uma foto da «Frigideira» e imagino o que tenha sido sofrer os horrores desses castigos. Imagino as duras condições de vida, pelo clima, pelo afastamento dos familiares e do mundo, pela falta de assistência médica e medicamentosa e pelo papel do seu tristemente célebre médico, pela rudeza e boçalidade dos guardas, tudo condições bem documentadas. Mas, conhecendo (outras) penitenciárias, confesso que não encontrei ali sinais objectivos de uma planificação ordenada para o «extermínio» e por isso muito lhe agradeceria se pudesse sustentar a sua afirmação de que «o modelo da concepção e da implantação do Campo do Tarrafal, (...), foi copiado dos modelos nazis e foi, na escala portuguesa, um decalque de Dachau ou Buchenwald.» As autoridades portuguesas conheciam esses modelos? E procuraram segui-los? Pretenderiam, de facto, que o campo de Chão Bom fosse um campo de extermínio? Nesse caso, considerando o número de mortos e as libertações, não teria sido um rotundo falhanço sob o ponto de vista do poder ditatorial? Eu estava convencido de que as autoridades portuguesas não conheceriam a organização e tipo de funcionamento de tais campos nazis. Nem os dos campos de trabalho soviéticos (e no Campo de Chão Bom os prisioneiros trabalhavam). Na sua opinião o que é que existe no campo de Chão Bom que o aproxima desses modelos e o afasta do modelo construtivo e de funcionamento de uma penitenciária, digamos, comum e da mesma altura? (já para não falar da hodierna prisão de Joe Arpaio, no Arizona...) E o que dizer da na altura inconclusiva visita da Cruz Vermelha ao campo? Os ainda bem conservados espaços e as conclusões dessa visita podem indiciar que as razões para a nossa crítica moral ao que foi o campo estejam menos na sua concepção e planificação e muito mais na prática quotidiana das pessoas que o dirigiam, desde o tal médico até aos guardas que lidavam com os prisioneiros, sem esquecer as responsabilidades do director. E, principalmente, pelo facto de ter sido uma prisão política, onde se encontravam pessoas presas por «delito de opinião». Este sim, o aspecto mais grave, mas que não confere ao Tarrafal um factor especialmente distintivo em relação a outras prisões noutros locais do então «império», a começar pela de Peniche e acabando nas de Angola e de Moçambique. Enfim, provocada a interrogação, ainda não tenho uma visão completa e estou à procura de respostas. A S/ opinião - que me parece objectiva - interessa-me. Desde já grato se me(no)-la quiser dar.
Quanto à S/ observação - que vem a ser o ponto central do S/ artigo -, parece-me justa, mas temos que considerar que o n/ imaginário foi construído pela natural reacção de uma organização política extremamente organizada e eficaz, experiente no domínio das técnicas de propaganda. Tendo o PCP «sofrido directamente» (na pessoa dos seu militantes) as consequências do 1º campo, é natural que tenha concitado muito maior reflexão para esse período. Por outro lado, esse será o período em que as condições foram de facto mais duras (tendas no início, a mencionada «frigideira», etc.) O segundo campo, que já não foi vivido «na pele» pelos militantes do PCP, ainda assim tem sido objecto de algum tratamento, bem retratado no museu no próprio local, o que se justifica, na medida em que se tratava da luta anti-colonial e de militantes da mesma. Acerca do 3º período, tratando-se, afinal, de uma prática de um partido «irmão» já no período da independência, é natural que os mesmos «propagandistas» não se sintam confortáveis para falar do assunto. E que o mesmo acabe esquecido, apesar de estar muito mais próximo de nós no tempo. Mas ao fim de 40 anos, talvez seja altura para um olhar mais distanciado e objectivo
De João Tunes a 28 de Abril de 2014 às 16:18
Caro Pedro Cruz,
São bem sabidas as influências sobre tipo e natureza do aparelho repressivo do fascismo português [sobretudo na sua fase mais dura - desde a guerra civil de Espanha (1936) até à reviravolta de Estalinegrado na II GM (1943)] por parte dos "fascismos irmãos" de Itália e Alemanha. E estão provadas as formas como a PVDE/PIDE foi inspirada e treinada pela Gestapo e pela sua irmã italiana (utilização de manuais, treinos, estágios e vinda de conselheiros). O Tarrafal, no seu arranque e fase inicial, teve como modelo Buchenwald, que arrancou praticamente em simultaneo com o Tarrafal, o qual, na sua primeira fase se destinou exclusivamente ao aniquilamento dos alemães antifascistas (comunistas, socialistas, católicos democratas) e não integrava, porque ainda não tinha arrancado, o seu serviço no holocausto. Quanto às diferenças Tarrafal versus Buchenwald elas foram da mesma ordem que as diferenças entre a Gestapo e a PVDE, entre a Legião Portuguesa e as SA, entre a Mocidade Portuguesa e a Juventude Hitleriana, entre António Ferro e Goebbels, entre Duarte Pacheco e o hierarca nazi coordenador das obras públicas do tempo de Hitler, entre a cerimónia da inauguração do Estádio do Jamor e a abertura dos Jogos Olímpicos de Berlim, entre o cineasta António Lopes Ribeiro e a líder do cinema nazi, etc, etc. Ou seja, as diferenças (não no estilo e nas intenções mas sim na escala e na intensidade) são, essencialmente, e a meu ver, as que relevam entre a dimensão parola, pobretana e campónia-clerical do fascismo salazarista e os fascismos de grandes e médias potências cujos cumes eram as versões alemã e italiana.
De Pedro Cruz a 28 de Abril de 2014 às 20:27
Muito agradeço a S/ resposta.
Comentando-o brevemente, sinto-me tentado a registar como um mal menor a «dimensão parola, pobretana e campónia-clerical do fascismo salazarista» que, pelos vistos, nos poupou a males ainda maiores. Vejo que associa a palavra fascismo a todos os regimes totalitários com práticas repressivas. É um sentido, lato, que vejo ser utilizado com frequência. Nesse caso cabe recordar também os fascismos da União Soviética, da China, do Camboja, da Coreia do Norte e de Cuba, etc., num século 20 marcado (também) por uma alucinada vertigem totalitária. De todos estes «fascismos» curiosamente (na S/ opinião por incompetência), o português foi o menos eficaz sob o ponto de vista dos seus próprios objectivos. Por um lado envergonhar-me-ia com essa falta de eficácia, por outro lado, registo aliviado o seu relativo, friso, relativo falhanço. Tecnicamente, porém, eu não qualificaria o salazarismo como fascismo, desde logo porque se tratou de uma ditadura conservadora, de Direita que, por isso mesmo, foi - e aqui concordo consigo - «parola, pobretana e campónia-clerical».
Os meus melhores cumprimentos e parabéns pelo S/ blogue
Pedro Cruz
P.S. A esta luz parece que, por maioria de razão (e pelas notícias que de lá nos chegam), poderíamos qualificar a prisão de Guantánamo dos presidentes Bush e Obama como campos de concentração...
De João Tunes a 29 de Abril de 2014 às 18:21
Algumas notas de contradição:
1 - Tem barbas a famosíssima pretendida distinção (sobretudo assumida pelos historiadores de direita e revisionistas, encapotados em rigoristas) entre salazarismo e fascismo. Não tem ponta por onde se pegue, em termos de caracterização das realidades políticas da primeira metade do século XX, e está tão batida que já me cansou há muito e hoje limita-se a dar-me sono. Tento não dar mais para esse peditório para ajudar à procissão dos branqueadores do Estado Novo. Mas se quiser saber mais sobree o que penso sobre o tema encontrará matéria - até demasiada - noutros posts deste blogue.
2 - É demasiado cínica para o meu gosto o seu apelo ao "agradecimento" pela escala menor das práticas fascistas durante o salazarismo comparativamente ao nazismo e ao fascismo italiano. Também não vou por aí. No mínimo, em honra à memória das vítimas
3 - Se ler mais do meu blogue, trabalho que não lhe aconselho, verificará que o meu zurzir no totalitarismo comunista não fica atrás da denúncia do totalitarismo fascista. Mas o comunismo não foi um fascismo. Embora, em termos de práticas repressivas, tenha sido pior, o que não é suficiente para confundir os géneros.
4 - Sim, é claro, Guantanamo é um campo de concentração. E dos piores.
De Pedro Cruz a 29 de Abril de 2014 às 20:48
Meu Caro João Tunes
Pela profusão de adjectivos, vejo que toquei num ponto sensível. Não era minha intenção ofendê-lo.
Não sou historiador, sou um simples curioso, mas pode chamar-me revisionista, encapotado em rigorista, branqueador que não me zango. É a S/ opinião.
Para obter a resposta às questões que coloquei remete-me para o S/ blogue, que depois me aconselha a não ler. Percebo que lhe falte a vontade para tratar de novo de assuntos que porventura já tratou. Custa-me a perceber a agressividade. Há quem saiba ler e ouvir opiniões alheias e diferentes sem intolerância. Como se tratou de um conselho e não de uma proibição, procurarei pesquisar o S/ blogue na primeira oportunidade, para perceber o que é que entende por fascismo.
E, sem cinismo, que (se ler bem) não o pretendi ter antes, agradeço-lhe o ter-se dado ao trabalho de publicar o meu comentário e de me responder, o que manifestamente não foi coisa do S/ agrado.
Saudações democráticas (que isso, creio que nos une)
Pedro Cruz
De João Tunes a 30 de Abril de 2014 às 00:15
Caro Pedro Cruz,
Não me ofendeu coisa nenhuma. E a referência a historiadores revisionistas e branqueadores não era para si (se quer nomes, dou-lhe dois: Costa Pinto e Rui Ramos). O que acho é que vc se identifica com o pacote ideológico da minização do salazarismo recorrendo à retórica da exploração das diferenças de dimensão e de escala sem ter em conta que a importância relativa dos países e a dimensão do inimigo a exterminar não tinham comparação alguma. Salazar usou a máxima repressão que lhe foi necessária, tanto que morreu com o seu regime a mandar. Copiou do fascismo e do nazismo o qb, assassinou e torturou o qb. Mas cumpriu as finalidades do fascismo em todas as suas vertentes, procurando sempre o qb. O que, em muitos casos e ocasiões levaram ao assassinato, por vezes em massa (na guerra colonial, por exemplo), à tortura, à censura, à vigilância permanente, à criação de milícias de adultos e de jovens, à filiação numa religião oficial porque oficiosa. Salazar adoptou e adaptou um modelo e esse modelo foi o modelo fascista. Como Franco o fez em Espanha, Horthy na Hungria, Antonescu na Roménia, e vários outros. Aliás, o nazismo inspirou-se no fascismo italiano (seu predecessor) mas instalou muitíssimas diferenças e, no entanto, a refer~encia ao nazi-fascismo, como um bloco de semelhanças com a mesma identidade não chocam ninguém.
De Pedro Cruz a 30 de Abril de 2014 às 03:22
Meu Caro,
Agradeço o S/ comentário.
Devo dizer que já cresci em liberdade e que para mim qualquer totalitarismo é intolerável. E lembro-me da minha mãe ensinar-me o lugar comum, verdadeiro, segundo o qual «os extremos tocam-se».
Acerca do fascismo enquanto adjectivo, percebi que estamos de acordo quanto à reprovação moral do Salazarismo, que não pretendi rever (e lamento se dei a entender essa ideia). Na questão conceptual - o Fascismo enquanto substantivo - é que, do pouco que sei, o regime italiano, inspirado entre outros nas ideias e na estética do Futurismo, foi essencialmente progressista, quis criar um «homem novo», numa sociedade nova. O Nazismo também. Tal como o Comunismo. O Salazarismo (tal como o Franquismo, creio), pelo contrário, foi um regime profundamente conservador, retrógrado. Tão conservador que parou no tempo, quando o mundo mudava aceleradamente, até a Igreja.
As práticas eram idênticas, com simples diferenças de grau? Sim, mas parece-me que são sempre idênticas em todos os regimes totalitários (de esquerda e de direita porque, lá está, os extremos tocam-se), onde a dignidade do ser humano não é respeitada. A começar pela sua liberdade.
Portanto meu Caro, sem prejuízo de ler ainda mais qualquer coisa, não é o facto de porventura divergirmos na classificação conceptual destes regimes que me afasta de si no plano da avaliação moral (negativíssima) dos mesmos. Mal comparado, se eu afirmar que o tipo legal de crime de ameaça é diferente do de coacção, não estou a dizer que um é crime e que o outro não é. Ambos são crimes, embora correspondendo a tipos diferentes. Enfim, creio que na magna Questão dos Universais, o meu amigo tende a sentar-se na bancada dos discípulos de Guilherme de Ockham. Eu não tanto, ainda não tomei partido, mas não me inclino para o Nominalismo, que de resto sustenta a maior parte do pensamento moderno.
Cordialmente
Pedro Cruz

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO