Sexta-feira, 27 de Outubro de 2006

PELO SIM, PELA VIDA

000h97k7

O valor da vida se resumido ao existir, é pouco mais que nada. Em muitos casos, menos que nada. Ou quando muito, um mero determinismo de uma fatalidade biológica em que o futuro e a sua qualidade dependem do que for. No caso do nascimento de uma nova pessoa, há quem o pretenda ainda menos que tudo isso de muito pouco – uma obrigação que resulta de um acto sexual sem os constrangimentos que evitem a procriação.

 

Uma gravidez não desejada ou imediatamente arrependida é sempre um drama humano. E um drama que a biologia impõe que a sua intensidade seja vivida numa desproporção gritante, porque muitíssimo mais por um dos dois parceiros construtores do resultado. Pois é sempre sobre a mulher-mãe que recai o ónus maior desse drama. E como se essa componente inelutável fosse pequena, é a ela que a sociedade pedirá contas da decisão sobre o que irá fazer sobre uma gestação que foi obra de um par. Deixando na paz serena ou perturbada o co-autor. Acrescendo a parte adicionalmente perversa de, no caso, a mulher responder perante sociedades maioritariamente gerida por homens, perante leis feitas maioritariamente por homens, perante usos, costumes, valores e tradições maioritariamente formatados por homens, perante religiões celebradas e dirigidas maioritariamente por homens, perante uma opinião pública maioritariamente formada por um somatório de opiniões masculinas.

 

A penalização de um aborto é um castigo aplicado pela sociedade predominantemente masculina (com a cumplicidade de várias acólitas femininas) sobre duas pessoas – uma mulher e uma criança não desejada. Em nome de a mulher não ter direito a evitar uma fatalidade. À criança porque lhe é imposta a obrigação de existir que sobreleva sobre o direito à vida entendida com a qualidade mínima de ser saudada e cuidada como um novo ser desejado. Só uma sociedade paranoicamente procriadora, pessimista, castigadora, rancorosa perante a felicidade humana, consegue ser coerentemente penalizadora perante a mulher que resolve o drama da gravidez não desejada ou arrependida pelo drama do aborto. E essa crueldade, traduzida em leis de castigo, só podia ter, como tem, a cumplicidade ideológica de uma religião que fosse, como é ela mesma, dirigida por uma seita misógina que secundariza a mulher, a vê como “fonte da tentação e do pecado”, lhe interdita a ascensão ao sacerdócio ou a construção de um lar com um dos sacerdotes ordenados. Uma mesmíssima religião que, sadicamente, paralelamente faz tudo por interditar as práticas da contracepção e uma vida sexual esclarecida. No fundo, uma sociedade e uma religião contra a vida, contra as vidas.

 

Obviamente que resta ainda e também, para que o quadro seja completo, o naipe da irresponsabilidade, o das “liberalizadoras” da barriga à mostra com a inscrição estupidamente hedonista do “aqui mando eu”. Mas circunscrever, confundindo, o drama feminino da gravidez não desejada ou arrependida com o leque ínfimo das meninas infantilizadas folclóricas do género "bloquista", é ir-se remexer na gaveta retórica da demagogia. Como se um qualquer abuso da liberdade justificasse o fim do direito à liberdade. Por exemplo, um qualquer vómito traduzido num escrito justificasse o regresso da censura. Mas mesmo essas irresponsáveis disfarçadas de “liberais”, é bom que, em caso de engravidarem, possam abortar. Porque, assim e em cada caso, seriam duas poupanças úteis à vida – menos uma mãe irresponsável e menos uma criança destinada a ser não amada.

Publicado por João Tunes às 13:23
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Ana a 31 de Outubro de 2006 às 17:05
O seu penúltimo parágrafo é MAGISTRAL.
Aplaudo de pé.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO