Terça-feira, 27 de Maio de 2008

AINDA OS COMBUSTÍVEIS, PREÇOS E IMPOSTOS (2)

 

Um dos nossos comentadores habituais (Augusto) colocou questões pertinentes na “caixa de comentários” deste post:
 
Analisando a evolução dos preços dos combustíveis no consumidor verifica-se que entre 2000 e 2008 o preço do gasóleo em Portugal subiu 100% contra 52% no conjunto dos 15 da UE. Como se explica?
Por outro lado como entender o facto do aumento do preço do barril de crude se repercutir de imediato no preço final do retalhista quando o combustível que está a ser vendido nos postos foi comprado pelo refinador uns meses atrás a preços inferiores?
 
Para a primeira questão (maior subida do gasóleo), a resposta é simples: sobem mais no mercado português os produtos com menos intervenção da refinação portuguesa. A actual estrutura refinadora instalada em Portugal e a concomitante escolha de “ramas” privilegia a saída de “leves” (o máximo de extracção de gasolinas). Daqui resulta que somos excedentários em gasolina (excedentes que se exportam e bem, sobretudo para os EUA) e deficitários em gasóleo e outros “pesados” (fuel oil). A gasolina colocada pela Galp no mercado português beneficia de dois factores igualmente favoráveis: é produzida nas refinarias portuguesas e beneficia de parte dela ter benefícios por exportação. No gasóleo, de que se importa uma parte significativa, a parte importada é comprada nos mercados internacionais, portanto sofrendo da vaga altista dos produtos refinados e sem gerar para a companhia resultados por refinação. A crescente transferência da motorização a gasolina para motorização diesel, questão que é endógena ao mercado de automóveis (implantada quando ao ter-se viatura a gasóleo se tinha benefícios que compensava o maior preço de compra dos automóveis diesel) e hoje estará em nítido contra-ciclo, veio agravar a dificuldade nacional em conter o preço do gasóleo, tanto mais que dependemos de importações de países com refinação exportadora de gasóleo e que, nos seus mercados, o sujeitam a menor subida de preço. Não se prevendo uma alteração na estrutura refinadora nacional e mantendo-se a preferência crescente por motorização diesel, a tendência é para que o gasóleo iguale ou ultrapasse o preço da gasolina (mais em Portugal que nos países onde a refinação gera excedentes exportados de gasóleo).
 

A segunda questão levantada pelo Augusto também tem resposta que, se permitir não se ofendendo, leva à “questão Estado”. Para segurança energética nacional, prevenindo uma calamidade em que o petróleo momentaneamente “desapareça” do mercado, há muitas décadas que o Estado português, como a maioria dos Estados, impõe à aprovisionadora e refinadora nacional (Galp) um stock de segurança que permita haver refinação e abastecimento do mercado nacional mesmo que durante alguns meses o país se veja privado da capacidade de se abastecer de petróleo bruto. São quantidades enormes que a Galp é obrigada a aprovisionar em permanência (o que nada tem a ver com uma gestão de stocks caso a companhia não tivesse o constrangimento imposto) e cujo custo de imobilização é enorme. Como a reposição de stocks é automaticamente obrigatória para manter o stock de segurança, se saem 100 toneladas para refinar, têm de entrar 100 toneladas para armazenar. Assim, em conta corrente, a companhia refinadora está sempre a comprar a preços do momento pelo menos a quantidade de produto que está a ser comercializada. E, em termos práticos, podendo estar a refinar produtos a “preços anteriores” (e inferiores), em custo de matéria-prima nas contas globais, é como se cada partida que sai para os postos de abastecimento tivesse sido refinado com o petróleo do “último preço” (pois o que se escoa do stock em refinados é compensado imediatamente no stock de matéria-prima com crude ao preço do momento).

 

Publicado por João Tunes às 16:39
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Augusto a 30 de Maio de 2008 às 20:40
Depois das explicações do João Tunes sobre o mercado petrolífero resolvi ler o Relatório da Galp Energia sobre os Resultados do 1º trimestre de 2008 para perceber quais eram, e de onde vinham, os "lucros escandalosos" da Galp referidos por alguns
blogues e jornais.
Vamos aos números, comparando o 1º trimestre de 2008 com o homólogo de 2007.

Os resultados operacionais foram no 1º trimestre de 2008 de 247 M€ contra os 179 M€ do período homólogo.
Sobre este resultado a Galp pagou em IRC ao Estado 73 M€, mais 29 M€ qie no período homólogo (+66,2%).

Exploração/Produção: + 25,2%
Refinação/Distribuição : + 20,5%
Gás/Energia: + 78,4%

TOTAL: + 37,8%

O aumento no segmento Exploração/Produção deve-se à venda de crude com origem em Angola onde a Galp tem participações.
No segmento Refinação/Distribuição verificou-se um decréscimo na margem de refinação e um abrandamento na procura de gasolina (-7,4%) e gasóleo (-2%) no mercado interno que foi compensado pelo aumento da exportação de gasolinas para os EUA (+ 29,4%).
No segmento Gás/Energia verificou-se uma subida importante dos resultados devido à maior procura de gás natural pelo sector eléctrico dada a baixa produtibilidade hidroeléctrica resultado da fraca pluviosidade registada neste período.
O resultado líquido foi de 175 M€ no 1º trimestre de 2008 contra os 149 M€ no período homólogo de 2007 ou seja + 22,9%. Mas se não considerarmos o "efeito stock" o resuiltado líquido foi de 109 M€ contra os 119 M€ obtidos no período homologo (- 8,4%).
A dívida total diminuiu, passando dos 841 M€ de 2007 para os 760 M€.
Aumentou o investimento em Exploração/Produção em
+ 29,6%
Adquiriu os negócios da Esso Espanola e da ExxonMobil Portugal.
Os custos com pessoal subiram 10,7%.

Será que aqueles que acusam a Galp de "lucros escandalosos" preferem um tecido empresarial constituido por empresas deficitárias, falidas, que não cumprem as suas obrigações perante a Segurança Social e o Fisco e que através dos despedimentos sobrecarregam o orçamento de Estado ?
Verdadeiramente interessante é a análise do "economista oficial" do PCP e, deputado de vez em quando, Eugénio Rosa.
Num texto da sua autoria escreve: "... é mesmo chocante numa altura em que são pedidos tantos sacrifícios aos portugueses, que a Galp tenha obtido um lucro extraordinário de 69 M€, ou seja mais 228,6% que em 2007 devido à subida do preço do petróleo..."
Ora a Galp é alheia à acentuada subida dos preços dos produtos petrolíferos no mercado internacional.
E não determina nem os preços do crude que compra no mercado (brent dated - Londres), nem o preço de venda dos refinados (cracking de Roterdão).
De resto estes ganhos são referidos e explicados no Relatório. Não há nada de opaco.
Mais adiante, servindo-se dos valores publicados pela DGEG sobre os preços dos combustíveis entre Janeiro de 2004 e Maio de 2008, conclui que : "os preços dos combustíveis em Portugal dispararam com a privatização da Galp".
Anda o ministro Manuel Pinho tão preocupado com a subida descontrolada dos combustíveis quando tem à mão a solução para o problema.
Nacionaliza a Galp e acaba com a subida de preço dos produtos petrolíferos.
Para os adeptos das "teorias conspirativas " devo esclarecer que não sou accionista nem tenho qualquer interesse na Galp.



Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO