Sábado, 24 de Maio de 2008

UMA COINCIDÊNCIA NO OLHAR O SUL

 

Uma coincidência será uma das formas fáceis de provocar uma tentativa de raciocínio político. Sobretudo nesta era de incertezas em que todas as âncoras ideológicas se mostram mancas por caruncho. Quando regressado de mais uma minha estadia em Cabo Verde, rebentou o escândalo controlado de um cantor mediático apontar o dedo à cleptocracia angolana, porventura com exagero medido no libelo provocatório. Daí a pensar na herança do pós-império português, encadeando comparações (pecado venial a caminho de mortal) é um passo de tentação. Irresistível, porque os pólos da bateria ficaram a acenar convite de sedução à energia de neurónios politizados.
 
Angola era a “jóia do império”, a mais difícil de largar, aquela que seria a última a guardar, juntando-se, em contraponto, o anticolonialismo mais débil e dividido. Ao petróleo e diamantes, somou-se uma independência mais geopolítica que nacional e tão volúvel e venal que não pestanejou na hora de mudar de amores a Brejnev e Fidel pelos bons amanhos com o Tio Sam. Hoje, Angola é o que é, não “nossa”, mas longe, muito longe, de ser dos angolanos. E é um dos expoentes mais detestáveis da parte rica de África, como a querer demonstrar que, depois de Mobutu, o pior ainda podia estar para chegar.
 
Cabo Verde era a colónia portuguesa mais longe de querer ser independente, a não ser no pensamento do lunático genial que foi Amílcar Cabral. A maioria dos caboverdianos pensava Cabo Verde, entregue à sua dimensão brutal de carências, como uma peça que, se solta, seria inviável. Sonhavam, quando muito, nos intervalos da morte pela seca, que mereciam, em salvação, um Alberto João mestiço a cantar mornas e a dançar coladeras e funáná, enquanto sacavam uma ajudas de migalhas gordinhas caídas da mesa do orçamento dos tugas que, durante séculos, refinando eroticamente o uso das ilhas como entreposto negreiro, tinham ganho gosto por camas de pretas e de cabritas. Hoje, Cabo Verde é a referência mais positiva em África, o melhor que, politicamente, África produziu. Tem uma democracia estável, com liberdade de expressão e alternância dependente somente do voto, saltou por cima da míngua e da fome, com um início incipiente de vida universitária local, tenta gerir o problema gordo do desemprego nos licenciados, tantos são eles. Honra os seus compromissos e é considerado internacionalmente como o ajudado mais exemplar pela forma escrupulosa como aplica e presta contas dos auxílios que recebe.
 
O colonialismo tardio que resultou da teimosia a-histórica de Salazar deu no que tinha que dar. Bem à imagem da sociedade anacrónica que plantou na metrópole em que tentou opor o atavismo à modernidade, numa segmentação anacrónica entre camadas sociais gostando de ser caricaturas. E que perdura na herança pós-colonial: desde o pobrezinho honrado e aplicado nos estudos até ao bando de senhorios ricaços e absentistas a gozarem herança rica de padrinho que desertou para parte incerta. 
 
É tão fácil raciocinar na base de uma coincidência, não é? É. Peço desculpa.
 

Nota: Este post esteve “congelado” em espera de publicação (por uma peripécia editorial na blogosfera). Naturalmente que se ressente de alguma passagem de tempo sobre a altura em que foi escrito. Mesmo assim, que mais não seja por teimosia, aqui fica editado. É que, como dizia o outro, “ninguém cala a voz da classe operária”.

 

Publicado por João Tunes às 12:33
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Filipe Domingos a 24 de Maio de 2008 às 18:56
É um post intemporal.
Tenho também essa visão sobre Cabo Verde, não é por acaso que aqueles que têm colaborado ao longo dos tempos com esse País, o continua a fazer, pois as ajudas são canalizadas para o bem comum e não para a algibeira de corruptos, como acontece para desgraça do povo noutros locais, que bem sabemos quais são.
De João Tunes a 25 de Maio de 2008 às 16:18
Não sendo a perfeição (onde existe ela?) é um bom caso de prova que um país pobre (muito pobre, muitíssimo pobre) pode utilizar honestamente as ajudas que recebe.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO