Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

UM LIVRO PARA UMA COMEMORAÇÃO COM PROVEITO

 

Talvez a forma mais conseguida e calma de comemorar a data de amanhã seja a leitura do livro acabado de editar da autoria de Nuno Andrade sobre os acontecimentos ocorridos em 25 de Abril de 1974 dentro do Quartel do Carmo (*). O que não implica, claro está, que não se enfeitem a preceito com cravos bem vermelhos e estendam a colcha na janela, dando a mão à passagem de mais um ano em democracia.

 

O autor, oficial da GNR e historiador, recolheu documentos e testemunhos que nos mostram a face oculta daquele dia, contando como ele foi vivido dentro do último reduto do poder da ditadura. Mostrando-nos, surpreendentemente, como as coincidências, os acasos e os pormenores contaram tanto, decidiram tanto, como as circunstâncias, os factos e as pequenas e grandes decisões. E, neste sentido, o livro de Nuno Andrade é uma demonstração evidente da falácia da inevitabilidade histórica, mesmo em circunstâncias agudas de confluência entre factores objectivos e subjectivos a quererem impor um certo desenlace. Perante o que parecia óbvio e fatal, tudo acabou como acabou, com vencedores e vencidos nos lugares em que ficaram, porque se a ditadura estava podre e a ameaçar ruína, contou tanto como isso uma arma que encravou, uma ordem que não se cumpriu, pares de inimigos do dia que por acaso até eram amigos, uma hesitação pelo medo, mais coisas assim. Para quem viveu o Carmo de fora, lá tendo estado, de lá ouvido contar ou lido sobre os relatos do que no Largo do Carmo se passou, sempre tendo a frontaria do Quartel como muro opaco que abrigava o poder em fuga, estará longe de imaginar o que, naquelas horas compridas, a derrota se ia tecendo em permanente jogo de forças com a hipótese contrária, até que o rebentar do limite impusesse uma solução, aquela. E essa descoberta, esse saber sobre o outro lado, é o que o livro tem de mais fascinante.

 

Nuno Andrade, além da boa escrita, faz prova de mérito do título de historiador. Estão lá o rigor factual, a abordagem dos vários ângulos, a procura e teste de teses e pistas, a moderação no envolvimento com um dos lados das partes. Mas se o autor é historiador, também é “da casa” que continua a habitar o mesmo quartel, sendo, como é, oficial da GNR. E, neste sentido, perpassa uma certa condescendência para as atitudes e comportamentos da GNR encurralada nesse dia com a missão extrema de defender os próceres da ditadura. E, aqui, provavelmente, algum impulso de branqueamento terá ocorrido. No entanto, diga-se, sendo um dado para tomar em conta a eventualidade de alguma condescendência sobre a imagem da Guarda, que não parece haver um exagero de sentimento de pertença grupal que desmereça o essencial da obra e das suas teses. Como a de alguma atitude de passividade a caminho da neutralidade da GNR no ocaso da ditadura (de que era um dos pilares repressivos mais fortes) defendida por Nuno Andrade tem suporte em dois aspectos consistentes: o da cumplicidade tendencial entre oficiais da GNR (que, sendo do Exército, lá cumpriam missões) com os camaradas do MFA (a que acresce o culto tradicional na GNR de então para com os dois generais que estavam na retaguarda da revolução, ambos antigos oficiais prestigiados da corporação, casos de Spínola e Costa Gomes) e a clareza da fragilidade do regime e as suas poucas hipóteses de sobreviver e com os seus líderes, encurralados, a demonstrarem inépcia em se defenderem mais a ditadura com que açaimavam um povo em ânsias de mudar e respirar. Acresce ainda que Nuno Andrade, no tempero político do seu fio narrativo, demonstra um inquestionável apego aos valores democráticos, julgando a ditadura e a revolução libertadora por esse prisma e, nesse sentido, o autor não só se apresenta como sendo um oficial de uma "nova GNR" (não a que serviu a ditadura ou que procurou o regresso saudosista ao autoritarismo) e a eventual, mas ligeira, limpeza do passado da instituição, será uma forma de a represtigiar com condescendência retroactiva. O que, vindo de um oficial da GNR, num livro escrito com aprovação e incentivo institucionais, é para merecer a devida benevolência por mais ou diferente não se lhe poder pedir.

 

(*)“Para além do portão, a GNR e o Carmo na Revolução de Abril”, Nuno Andrade, Edições Guerra e Paz

Publicado por João Tunes às 17:06
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO