Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

O REVISIONISMO DA HORA

 

Terminei a leitura de um livro que é paradigma destes tempos de desforra de um certo tipo de saudosismo da ditadura e da época colonial. Trata-se de um balanço feito pelo General Silva Cardoso sobre a mudança da ditadura para a democracia ocorrida em Portugal vai para 34 anos atrás (*).

 

Curiosamente, o autor deste livro sucedeu a Rosa Coutinho como Alto Comissário em Angola e ainda em pleno período revolucionário até Agosto de 1975 naquela antiga colónia (tendo antes, sido, sob presidência de Rosa Coutinho, membro da Junta Governativa de Angola, portanto colaborador e co-decisor das medidas que este tomou). Pelos cargos desempenhados, obviamente que o militar em questão merecia a confiança política mínima dos militares revolucionários como ele mesmo, embora se situasse num quadrante político mais direitista, tinha necessariamente, perante as mudanças em Portugal e quanto ao processo de descolonização, uma atitude colaboracionista ou, pelo menos, condescendente, mesmo que eventualmente crítica quanto a alguns aspectos. Posteriormente aos seus cargos em Angola, Silva Cardoso foi comandante militar nos Açores, director do Instituto dos Altos Estudos da Força Aérea e Presidente do Supremo Tribunal Militar (tendo, nesta função, sido o responsável pela recusa de uma pensão, por mérito do marido no restabelecimento da democracia, à viúva de Salgueiro Maia, como contribuiu ainda para a não atribuição do título de Marechal a Humberto Delgado quando tal foi proposto). Pois, apesar desta nunca interrompida carreira, Silva Cardoso escreve sobre a ditadura e a revolução como se tivesse sempre sido e continue a ser um legionário dos sete costados. Não só branqueia em absoluto os tempos da ditadura como qualifica o 25 de Abril como “revolução da perfídia”, insulta todos os militares de Abril (fazendo, para cada um, um retrato de velhacos, cobardes e vendidos), inventa patranhas infantis (como a de Cunhal ter preparado e trazido num avião 300 russos especialmente treinados para tomarem conta do aparelho do PCP e que teriam sido estes a montar as organizações locais deste partido), afirma que a guerra colonial estava ganha em todas as frentes e reserva o seu principal ódio de estimação para Mário Soares (**).

 

Como livro de ódios que é, este vale o pouco que vale. E, intelectualmente, não abona quanto aos primores histórico-culturais do general agora reformado. E a menos que António Barreto, tomando o gosto após albergar calúnia sobre Rosa Coutinho, decida credibilizar as suas atoardas biliosas, o livro não irá além de alimento das crendices ideológicas dos ressentidos com a democracia e o fim do império. Mas, além disso, a obra não deixa de ser significante quanto à emergência de um revisionismo assanhado, agora em voga, quando parecia termos atingido um patamar de consistência do viver democrático, em que afloram as questões não resolvidas com o fim da ditadura e do colonialismo. E, neste capítulo, muitos militares olhando as velhas fardas que começaram a vestir como profissionais de uma Forças Armadas ao serviço do fascismo e do colonialismo, aí estão a mostrar o esplendor das suas frustrações e vontade de corrigirem a memória, como suprema desforra para com a história. Incluindo aqueles que, nos tempos que fizeram e seguiram Abril, declaradamente ou pela calada, tenham baixado as espadas perante o MFA ou colocando-as mesmo ao seu serviço.

 

(*) – “25 de Abril de 1974, a revolução da perfídia”, General Silva Cardoso, Editora Prefácio.

 

(**) – Silva Cardoso demonstra, curiosamente, menos estima por Soares que aquela que não tem para com Cunhal, referindo-se assim a ambos: “Se fosse Deus punha os dois no inferno, mas para Soares guardava a fornalha mais quente” (pg 198).

----

Adenda: Julgo que o Zé Albergaria tem razão e eu, como outros mais, temos andado a cometer um erro de designação: Rosa Coutinho não foi Alto Comissário em Angola mas sim presidente da Junta Governativa (de que Silva Cardoso e outro militar faziam parte). É quando Rosa Coutinho é substituído por Silva Cardoso que este inaugura aquele cargo criado nos Acordos de Alvor em 1975. Agradeço o reparo.

Publicado por João Tunes às 17:25
Link do post | Comentar
5 comentários:
De fcl a 23 de Abril de 2008 às 17:37
Bastas vezes pesquei com o senhor ao largo de Sao Miguel. Revelou-se sempre optima e, até, divertida companhia. Que desilusão... Felizmente nunca discutimos política!
De João Tunes a 23 de Abril de 2008 às 23:46
Nada no livro indica que o senhor não tenha sido e não seja um pescador compincha. E cada pessoa são várias pessoas.
De Augusto a 23 de Abril de 2008 às 18:27
Talvez não falte muito para o "Público" publicar mais um episódio desta campanha contra o 25 de Abril e os
militares que o fizeram.
Pela amostra que aqui li suponho que há nestas "memórias" muito material utilizável.
E já agora, depois da "carta" de Rosa Coutinho, porque não publicar o célebre "Protocolo dos Sábios de Sião" como documento autêntico ?
De Augusto a 24 de Abril de 2008 às 13:14
Tem toda a razão o Zé Albergaria.
Tinha pensado colocar aqui um post a referir esse aspecto e uma pequena cronologia dos acontecimentos
ligados à descolonização em Angola em que pela análise dos factos facilmente se verifica como são falsas as inúmeras acusações que são feitas a Rosa Coutinho mas também às autoridades portugusas em geral.
"O que fizeram as autoridades portuguesas durante a transição foi crime de traição e crime contra a humanidade" escreveu AB.
É pena ter esquecido Wiriamu.
De João Tunes a 24 de Abril de 2008 às 22:03
A "Visão" de ontem traz um bom artigo sobre este "incidente". A mim é que já não me apetece meter mais na escrita.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO