Segunda-feira, 31 de Março de 2008

UM FALSÁRIO À ESPERA DE HISTORIADOR

 

Na crise do regime político republicano que abriu espaço ao golpe de 1926 que instalou uma ditadura militar a que sucedeu o longo mando fascista-clerical de Salazar, a maior fraude por falsificação desempenhou um papel chave. O falsário compulsivo Alves Reis, dirigindo uma quadrilha internacional, conseguiu com sucesso, em 1925, colocar em circulação uma soma considerável em notas falsificadas (mas “verdadeiras” quanto ao seu fabrico), idênticas à da imagem, e com os seus proventos, além da vida faustosa proporcionada aos membros da quadrilha, abrir um banco que se destinava a suportar o domínio sobre a economia colonial angolana e a posse do Banco de Portugal. O valor da fraude calculada para valores actuais, medida pela mesma percentagem do PIB, corresponderia hoje a aproximadamente 1.750 milhões de euros.

 

Alves Reis recorreu à forma mais imediata de acumular uma enorme fortuna, fabricando moeda que é a forma mais directa de se obter mais valia. Se a fraude não conseguiu passar impune, o resultado mais sonante da vigarice foi precipitar a queda do regime e a interrupção da democracia portuguesa em quase meio século. Aliás, o seu opositor mais forte, aquele que mais fez para levar Alves Reis à prisão, porque o poderio emergente do falsário colidia com os interesses coloniais do seu opositor, foi precisamente o empresário e financeiro que maior protecção empresarial iria obter do salazarismo, construindo o “império CUF”, o empresário Alfredo da Silva.

 

Para além dos aspectos romanescos dos talentos vários do aventureiro falsário, iniciando a via da vigarice ao começar a sua vida profissional em Angola como “falso engenheiro” (ele que nem sequer dominava a língua inglesa, falsificou e utilizou um diploma de engenheiro por uma escola técnica de Oxford que não existia) e continuando na senda da trafulhice nos negócios mesmo após ter cumprido a pena de prisão que lhe foi aplicada pela falsificação das notas de quinhentos escudos, a possibilidade de consistência e mobilidade no meio económico e financeiro das aldrabices contínuas de Alves Reis são uma peça importante na compreensão da época quanto ao ambiente político, o estado das finanças públicas e as formas correntes de se acumular capital e fazerem-se grandes fortunas. E, assim, muito pode ajudar a entender o ambiente de crise política da década de vinte do século passado e perceber o 28 de Maio que se seguiu, bem como a aceitação que o golpe teve. Merecia, por isso, um estudo sério e enquadrado na época histórica.

 

E se Alves Reis merece um historiador disponível e interessado, mas tardando o que se motive pelo tema, vamos tendo os que, sobre o maior falsário português, telenovelam (caso de Moita Flores) e um jurista-comentador (Fernando Teixeira da Mota), que recentemente lançou um livro biográfico sobre Alves Reis (*) mas que, infelizmente, se perde extasiado nos aspectos romanescos e sentimentais e pouco domínio demonstra em capacidade de traçar o contexto histórico dos acontecimentos (vá lá que um anexo do livro, da autoria do professor de economia Manuel Mira Godinho, apresenta um enquadramento resumido do impacto económico-financeiro da fraude).

 

(*)“Alves Reis, uma história portuguesa”, Francisco Teixeira da Mota, Edições Oficina do Livro

Publicado por João Tunes às 17:29
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO