Domingo, 30 de Março de 2008

O ADEUS À CLASSE OPERÁRIA

 

Luís Januário pespegou esta bastonada escrita:

 

A seita autista que arrasta o nome do Partido Comunista Português manifesta algumas peculiaridades. Uma delas é o estranho desinteresse pela sorte da classe operária chinesa: já não falo em horários de trabalho, direitos sindicais, regalias sociais mas de coisas básicas que lhes preexistem e têm a ver com a dignidade da existência.

 

De facto, não há hoje outra parte do mundo com uma concentração de operários que seja superior à que se encontra na China. Idem quanto à sua homogeneidade relativamente a más condições de trabalho, falta de direitos, grau de exploração. Objectiva e subjectivamente, em poucos países e momentos históricos se encontraram, como hoje na China, reunidos os requisitos para se falar de classe operária segundo o conceito marxista de classe e de potencial revolucionário para extirpar a exploração, fazendo a revolução. As dificuldades (melhor: relutâncias), que vêm muito de trás, dos comunistas chineses entenderem o papel de vanguarda da classe operária, desalinhando com a ementa marxista de hierarquização das vanguardas revolucionárias, deslocando o pólo condutor para as massas camponesas (e, durante a “revolução cultural”, para as massas estudantis radicalizadas), uma heresia que mereceu milhares de páginas com críticas violentas, fazem parte do património da revolução chinesa e das querelas que suscitou entre a irmandade comunista. Provavelmente, o desprezo dos comunistas chineses no poder para com os operários chineses, acentuado com a competição globalizante dos tempos actuais, em termos culturais e ideológicos, não passa de uma persistência no pensamento comunista chinês da sua heterodoxia marxista.

 

Desde o início do cisma sino-soviético, Cunhal e o PCP assumiram o papel de serem, entre os comunistas que não exerciam o poder, os mais violentos na denúncia das heresias marxistas dos comunistas chineses. Sempre que havia reuniões internacionais dos partidos comunistas, Cunhal, em nome do PCP, assumiu sempre a posição mais extremada de apoio aos soviéticos e de ataque violento ao aventureirismo, voluntarismo e subestimação do papel da classe operária por parte dos renegados chineses. E, na realidade política portuguesa (na última fase da ditadura e durante o período revolucionário), Cunhal e o PCP, no seu posicionamento perante os grupos maoístas portugueses, transpuseram sempre a mesma inimizidade irredutível e coincidente com o péssimo relacionamento entre o PCUS e o PCC e conexas competições para controlarem e dominarem ideologicamente partidos e movimentos de raiz marxista em todo o mundo.

 

Hoje, assistimos a uma espantosa inflexão em que, talvez por falta do pólo PCUS, o PCP se pendura numa amizade de amor tardio mas apaixonadamente ardente e acrítico para com a prática de poder dos comunistas chineses (cujas expressões mais quentes fariam corar, por insuficiência relativa de paixão, um convicto maoísta dos tempos idos). Coincidindo, ironicamente, com a fase do extremar da exploração do capitalismo comunista chinês sobre a classe operária chinesa. Como se, por obra do pragmatismo mais oportunista (poder é poder), todo o património do PCP, a sua "pureza marxista-leninista", incluindo o esforço teorizante de Cunhal ao polemizar com os renegados chineses, fosse liquidado de uma penada.

 

O “amor chinês” da actual direcção do PCP, inscrito no mesmo oportunismo aventureiro que a leva a apoiar as ditaduras cubana e norte-coreana, as FARC, os etarras, os tallibans, os bombistas islâmicos e o actual poder persa, numa linha de "internacionalismo" sem princípios nem escrúpulos, muito menos com coerência ideológica, apostando na solução apocalíptica mundial como vingança da não digerida implosão soviética (no fundo, a dor maior e mais verdadeira), revela, antes do mais, um profundo desprezo para com os operários chineses, sujeitos a uma das explorações mais infames de que os assalariados guardam memória. Para um partido que se diz ser o da classe operária (portuguesa), é obra da duplicidade mais cínica. Ou talvez não. Afinal, onde está, aqui e agora, a mobilização da luta comunista entre o que resta da classe operária portuguesa (agora cedendo o lugar, na frente da luta de massas, aos empregados do Estado)? Talvez o que simplesmente aconteceu foi que o PCP, reduzido que está, nos seus “laços ao operariado”, aos que são oriundos desta condição e se burocratizaram partidariamente na direcção e no funcionalismo do partido, ao cortar as pontes com a classe operária portuguesa (como, na Auto Europa, em que os metalúrgicos preferem Chora ao PCP), estruture esta viragem em ligação social na coerência do seu "internacionalismo". E, sendo assim, porque deitar uma lágrima que seja a lembrar a exploração dos operários chineses?

 

Publicado por João Tunes às 23:44
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO