Domingo, 30 de Março de 2008

QUANDO UMA CORONHA NASCEU NUM UMBIGO

 

Na produção regular de literatura sobre a guerra colonial, finalmente a adquirir uma dimensão propícia a colocar a memória do passado português de média distância nos carris, vai surgindo uma variedade de experiências narradas ou romanceadas que evidencia como essa participação de centenas de milhar de portugueses nessa gesta colectiva dramática, traumática para muitos, foi vivida de forma muito diferenciada. E se a produção de literatura (memorialista ou por via da ficção) sobre a guerra continuar, como se prevê, até pelo papel de catarse que apresenta, haverá condições, em breve, para se proceder a uma tipificação das atitudes e comportamentos dos mobilizados para combaterem os movimentos independentistas africanos. Na segmentação de comportamentos que determinaram as vivências (e hoje as memórias reflectidas sobrevivas à guerra), distinções caracterizadoras se apresentarão entre militares de carreira e milicianos, entre as camadas militares (praças, sargentos e oficiais), os locais de combate com forte, fraca ou nula provas de fogo, a partilha ou não de baixas entre camaradas próximos, finalmente, as diversas épocas que vão desde a mobilização com o élan patriótico temperado com o sal da repugnância no início dos combates em Angola em 1961 até ao dobre de finados na Guiné em 1973, com ramificações de percepção da realidade da guerra consoante os teatros de operações.

 

Esta diversidade de experiências, numa enorme variedade quanto a tempo, espaço, responsabilidade e impacto dos combates, a que acresce o fundo ideológico que marcava o posicionamento perante a guerra por parte de cada militar, faz enorme diferença quanto ao testemunho e ao registo depositado para memória futura. Recentemente, assistimos à forma, quase folclórica, como Cavaco Silva realizou publicamente, na sua última visita presidencial a Moçambique, uma síntese institucional da sua passada experiência como oficial miliciano do exército colonial “aquartelado” numa secretaria da burocracia militar em Lourenço Marques e tentando explorar essa vivência africana como uma amarra de amor a África do tipo do sortilégio e publicitando essa emoção, perante os moçambicanos, como ponte afectiva que possa beneficiar a relação entre os Estados de Portugal e Moçambique (juntando-lhe o doce da partilha do feitiço africano com a memória revivida de Maria Cavaco Silva que, no tempo de comissão militar do marido, o acompanhou e realizou experiência de professora no Liceu Salazar de Lourenço Marques). Ambos exprimindo-se com sinceridades evidentes, expondo até o primarismo cultural partilhado dos seus olhares romântico-passadistas sobre África, o casal Cavaco Silva pensou que assim servia as suas funções institucionais, servindo a relação entre os povos e Estados de Portugal e Moçambique, e nisso nada há a reparar. Mas imaginemos que Cavaco Silva, em vez de oficial da rotina administrativa militar de inserção laurentina, tinha sido um dos militares comandos que "visitaram" Wiryamu. Então, ou se calava sobre a sua participação colonial ou tinha de enfrentar o problema das culpas coloniais. Em qualquer dos casos, a margem de folclore do feitiço africano tinha de ser deixado para outros da comitiva.

 

Mário Beja Santos, um conhecido teórico dos direitos do consumidor, lançou um livro de luxo (se atendermos ao tipo da publicação e ao seu preço) (*) sobre a sua experiência como alferes miliciano na guerra da Guiné. É um livro de si para si, numa partilha em que a leitura de uma falha narcísica é proposta ao leitor, onde este antigo combatente recupera as suas memórias de guerra como registo de uma experiência em que a guerra passou por ele, mais que ter sido ele a passar por uma guerra. Apesar da distância no tempo para reflexão, apesar ainda de o seu lastro cultural e ideológico antes adquirido o ter levado á guerra com uma experiência de militância católica de esquerda, com um perfil de nojo pelo fascismo e pelo colonialismo, Beja Santos assume, porque mantêm (e com pleno direito a isso), uma passagem pela guerra em que o zelo do cumprimento da missão, o assumir do seu estatuto de oficial, a centralidade da sua personagem, foram as marcas da sua passagem pelo teatro militar da Guiné. E, mais que a paisagem do contexto da guerra e a reflexão sobre os seus absurdos, como que a guerra, vista pelo livro, se tenha vitrificado para emoldurar o profissional zeloso, transportando seus livros e sua ética, fazendo a guerra como se a coronha da espingarda lhe nascesse do umbigo. E se o estilo literário é depurado e a arrumação limpa é, o saldo final é de um bocejante enfado pelo desperdício de alguém, que não sendo ele, sendo apenas um consumidor com os seus direitos, ler-lhe o livro.

 

Um mérito tem o livro de Beja Santos, o de ajudar a tipificar uma das passagens milicianas pela guerra colonial. Outras, muitas outras, existiram. E felizmente que assim foi. Da análise do leque, sairá, um dia, um melhor conhecimento do estar português na guerra colonial.     

 

(*)“Diário da Guiné (1968-1969) – Na Terra dos Soncó”, Mário Beja Santos, Edição conjunta Círculo de Leitores e Temas & Debates

Publicado por João Tunes às 00:43
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO