Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

SOBRE A VIAGEM DE OUTUBRO NA EUROPA

 

Rui Bebiano retomou a edição da sua série de textos sobre a “Revolução de Outubro”, com um oitavo post em que aborda a mimetização do golpe russo-bolchevique no processo de expansão do poder comunista (e que, tendencialmente, almejava o domínio universal) e explica como as réplicas em diversos locais geográficos (na Europa, na Ásia e na América Latina) seguiram espécies de modos distintos, absorvendo características regionais (quer do ponto de vista social quer das tradições culturais) com variantes mais ou menos heréticas nas formas de tomada de poder e respectiva legitimação (como sejam: a incorporação primordial do campesinato nas revoluções asiáticas e o guerrilheirismo provincial no caso sul-americano).  

 

Toda a sistematização sintética comporta o inevitável risco da modulação unicista dos fenómenos. E se todo o post vale pela clareza exemplar e rigorosa, tendo em conta o esforço (e o risco) de tamanha síntese, a corrosão da generalização afecta sobretudo, julgo eu, a referência à expansão do comunismo na Europa de Leste sob abrigo das conquistas do Exército Vermelho na Segunda Guerra Mundial. Escreve Rui Bebiano:

 

Já o estabelecimento das «democracias populares» no leste europeu, ocorrido trinta anos mais tarde, assumiria características diferentes [do “exemplo russo”], variáveis aliás de país para país mas coincidindo na forma não-insurreccional - embora marcada pelas pesadas sequelas da guerra e por um combate político extremado - de tomada ao poder. Por esse motivo, o exemplo de Outubro penetrou ali mais pela via da exaltação simbólica da figura mitificada de Lenine e da aplicação de um «leninismo prático», particularmente útil sob as condições de rápida instauração de regimes de partido único, e ainda pelo reconhecimento, principalmente a partir da criação em 1947 do Cominform, do papel dirigente da União Soviética e do carácter incontornável do seu modelo rigidamente centralista de governo e de organização da sociedade.

 

Se o magma de reprodução das formas de instauração do comunismo apresentado é válido para países como a Hungria, a Roménia e a Bulgária (antigos aliados do Eixo e com partidos comunistas grupusculares), a que se poderiam adicionar os países bálticos (já anteriormente sovietizados e re-incorporados na URSS), a Polónia e a RDA (mais tarde), ou seja, imposição de ditaduras comunistas sustentadas exclusivamente em conquistas militares soviéticas, os casos da Checoslováquia e da Jugoslávia/Albânia, surgem com diferenças substanciais, do conjunto e entre si. No caso checoslovaco, havendo embora a protecção da presença do exército soviético, o partido comunista era forte (na Boémia e na Morávia, não na Eslováquia) e foi capaz de obter uma vitória eleitoral após a libertação do nazismo.  Com o nacionalismo reaccionário eslovaco na mó de baixo pelo seu anterior colaboracionismo com o Reich, o comunismo checo tinha não só um amplo apoio de massas como a capacidade de ser praça-forte na coligação saída das primeiras eleições no após-guerra. Mas a passagem da hegemonia comunista ao estado de partido único foi conseguida em 1948 (no golpe de Fevereiro) com uma reprodução tardia do Outubro russo-bolchevique que conjugou a intriga contra os “ministros burgueses” com as movimentações de massas e milícias operárias. E, neste sentido, a encenação da tomada de poder em Praga foi uma espécie de “remake” do Outubro russo. Como específica foi a tomada de poder na Jugoslávia (idem, muito por arrastamento, na pequena Albânia). Aqui tratou-se de uma saga própria da acção guerrilheira chefiada por Tito que praticamente dispensou a ajuda soviética para libertar a Jugoslávia dos nazis e depois tomar o poder em Belgrado, tendo sido muito mais substancial e decisiva a ajuda prestada por britânicos e norte-americanos no fornecimento de armas aos guerrilheiros. Esta “autonomia jugoslava” na via da conquista do poder, com capacidade insurreccional própria, colocou a conquista do poder pelos comunistas jugoslavos mais perto dos posteriores modelos “asiático”/”sul americano” que do “modelo russo” ou das outras transferências de poder na Europa de Leste. Aliás, além da crise do Cominform que se seguiu imediatamente à sua criação (por causa do “cisma jugoslavo”), são exactamente na Jugoslávia, na Checoslováquia e na Albânia, ditaduras comunistas com partidos comunistas fortes, que se irão registar cisões e conflitos graves entre os “comunistas nacionais” e os seus camaradas e orientadores soviéticos, mas em que a ideia comunista não era posta em causa, enquanto as crises graves noutros países comunistas com partidos comunistas relativamente fracos – Polónia, RDA e Hungria -, se vão dever a sentimentos anticomunistas enraizados e generalizados e em que a antinomia motivadora das rebeliões era comunismo/democracia. Esta diversidade e complexidade da história do comunismo na Europa de Leste fá-la resistir à sua catalogação num bloco homogéneo de adopção de modelo relativamente à importação de “Outubro”, seguindo as pegadas do Exército Vermelho. Se houve decalques burocráticos da tomada de poder do “partido leninista” quando os sentimentos dominantes na população eram os do anticomunismo, aconteceram insurreições de libertação antinazi que depois se autolegitimaram, com apoio popular, em poderes comunistas, como se verificou ainda, no caso checo, uma re-encenação quase “tal qual” da insurreição russo-bolchevique.

 

Publicado por João Tunes às 14:39
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Rui Bebiano a 26 de Fevereiro de 2008 às 19:22
Obrigado pela adenda. Tenho a perfeita noção do carácter bastante abrangente destes pequenos textos e de especificidades importantes que não têm o relevo que poderiam ter. Mas estes posts são um esboço de algo mais completo que estou a preparar para um suporte diferente. De qualquer forma, vou meter um link a apontar para aqui. Um abraço.
De João Tunes a 27 de Fevereiro de 2008 às 00:15
Meu caro, isto foi mais vontade de conversar que outra coisa. Abraço.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO