Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

NO REGRESSO DO SAGRADO SECULAR

000exfb6

A Religião está a ocupar um protagonismo obsessivo nos assuntos e na polémica. Algo que era suposto pertencer à esfera íntima de opção individual e a ser curtida entre pares da mesma crença (ou descrença), tornou-se em assunto social e político predominante, ideológico também, ocupando grande parte da ribalta e agitando a opinião pública. E, neste aspecto, é um retrocesso perante a laicidade republicana, fragilmente adquirida, que devia pautar a discussão dos assuntos públicos. Não temos aí o regresso da “questão religiosa” como questão central das sociedades?

 

Primeiro que tudo, neste desiderato, há que reconhecer que o fundamentalismo islâmico marcou pontos. E que pontos. Ao transpor para a acção, e para a ameaça e os medos, a sua mescla entre o sagrado e o secular, conseguiu que hoje em dia se discuta muita (demasiada) religião quando se discute política.

 

Quanto à Igreja Católica, mal curada do apagamento em alguns dos seus privilégios seculares mas não adormecida nem desistente, está a usar habilidosamente este novo protagonismo dos assuntos religiosos, para se afirmar como contraponto e recolher dividendos do contraste com uma prática religiosa concorrente e parada no tempo (a dos “neo-saladinos”). De facto, não é preciso recuar muito no tempo, muito menos ir até à Inquisição, bastando recordar os tempos dos domínios autoritários, ditatoriais e reaccionários do Século XX, para lembrar quanto as sucursais do Vaticano se imiscuíram e sujaram as mãos na construção (ou reconstrução) do domínio ideológico, da manutenção do obscurantismo obediente, do casamento com o poder secular e da pauta e proliferação de índex nos usos e costumes. Aliás, a Igreja Católica, que me lembre, nem uma única vez abriu voluntariamente mão de um único dos seus privilégios adquiridos na promiscuidade Estado-Igreja. Teve foi uma capacidade notável de adaptação camaleónica, mais teórica que prática, aos novos postulados de modernidade democrática, sabendo, como poucas instituições, assobiar para o lado. Basta o exemplo doméstico da forma sibilina como a Igreja Católica mantém, enquanto o Estado não lhe vai á pedra, fingindo não ser nada com ela, o privilégio escandaloso de ter o monopólio (pago pelos contribuintes) da celebração e assistência religiosa nas Forças Armadas e de Segurança bem como no mundo prisional.

 

A repescagem da “questão religiosa” para questão central, até geopolítica, dos nossos tempos, é, assim, uma vitória, em simetria, do fundamentalismo islâmico e da recuperação de poder de influência do Vaticano. Quanto aos fundamentalistas islâmicos sabe-se o quanto isto lhes convém (e como estarão felizes em terem, talvez com a maior das surpresas, a solidariedade cúmplice da parte da esquerda órfã do marxismo-leninismo mas fiel ao anti-americanismo e ao ódio aos judeus): é a sua janela de oportunidade de colocarem a Jhiad na ordem do dia. Da parte do Vaticano, a oportunidade nova (riquíssima em termos políticos) de aparecerem associados à luz e ao progresso civilizacional. E um aspecto, talvez o mais perverso e ínvio, da neo-afirmação católica seja a defesa do medo e auto-censura perante a susceptibilidade por parte dos muçulmanos relapsos ao direito á crítica e à heresia. Difundindo o “respeito” pelo religioso, celebrando a necessidade de regresso ao esplendor da religiosidade, cimentando o seu estatuto de tabu, a Igreja Católica procura beneficiar da rejeição civilizacional aos excessos islâmicos e às suas abencerragens, revertendo para seu favor um novo e inesperado protagonismo da esfera religiosa. Por via dos seus “irmãos muçulmanos”, a Igreja Católica não está a conseguir o maior e mais trapaceiro de todos os milagres – transmutar-se como símbolo da Tolerância, Democracia, Direitos e Liberdades? Além de que, na querela semi-surda católico-muçulmana, até parece que, por um passe de mágica, as opções religiosas se passaram a esgotar nestas duas religiões monoteístas. As religiões alternativas, incluindo as politeístas ou animistas, mais os ateus, parece que desapareceram do mapa e das mentes, em que o palco ficou reduzido a servir apenas dois actores cúmplices embora aparentemente zangados – Jesus e Mahomé (e, neste aspecto, eles até nem se cansam em falar em Abraão, o seu profeta em comunhão de bens espirituais).

Publicado por João Tunes às 17:09
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Marco Oliveira a 29 de Setembro de 2006 às 19:14
João,

Alguem escreveu há alguns anos atrás que o século XXI "seria um século religioso ou então não seria".
Poderia ser um século religioso por um bom motivo: as migrações e contactos entre culturas levam a uma necessidade de diálogo inter-religioso e a um repensar de alguns ensinamentos religiosos.

Mas também poderia ser um século religioso por maus motivos: alguns fundamentalistas religiosos podem usar violência extrema para impor a sua doutrina aos outros.
No primeiro caso, assistiríamos a uma evolução social e um redescobrir da religião. No segundo caso, largos sectores da sociedade acabariam por odiar a religião e considerá-la como uma semente de violência e ódio.

Não percebo bem para onde vamos. Parece-me que por um lado se tenta construir um mundo novo, e por outro se tenta destruir o mundo em que vivemos.

Um abraço
De João Tunes a 3 de Outubro de 2006 às 17:07
Estou de acordo contigo, Marco, em pensar que estamos numa curva perigosa do mundo. Com a religião a servir perigosamente de pretexto para uma vaga de barbárie. E, digo eu, os religiosos não estão a ajudar nada - cada seita olha para os seus templos e procura tirar bom proveito competitivo do pretexto. Abraço.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO