Domingo, 30 de Maio de 2004

OS VERMELHOS DE CHE

che.jpg

Se fosse fiel aos símbolos fixados da minha geração, através do culto aos seus mitos, aproveitando o bom tempo, provavelmente vestiria agora uma t-shirt com estampa de Che Guevara. Ou simplesmente com a sua singela estrela sinalética. Para condizer com a campanha. Dando-lhe cor, símbolo e sinal.

O mito de Che é, antes do mais, um dos fenómenos mais prodigiosos (e lucrativos) de marketing político. E clientes da iconografia do fenómeno serão, porventura, os mesmos que se revoltam contra a intromissão do marketing e do espectáculo na política.

Che continua a ter todos os ingredientes para ser um sucesso como produto. Pela formidável consistência da sua lenda e a capacidade potente de ela se confundir com uma realidade desejada e como panaceia que sublima desencantos, derrotas e recuos de amanhãs adiados.

Confundiu-se, na ideia sobre Che, várias mensagens. Ele teria sido o sumo-sacerdote da ideia romântica de revolução, o revolucionário da máxima generosidade, o homem que nada quis para si, nem sequer poder, um auto imolado no altar de todas as causas nobres pelos pobres, explorados e oprimidos. Teria andado pelo mundo, espalhando a boa nova e a boa acção, espalhando focos de revolta e entregando a sua vida como supremo sacrifício. Um novo Cristo, num tributo de santidade a que tantas vezes é associado.

Como se tantos componentes mitológicos não bastassem, Che era um homem bonito, muito bonito, espalhando um misticismo apostólico e sedutor.

Che, hoje como ontem, continua a servir a Cuba castrista. Na degenerescência da ditadura do tirano dinossauro das Caraíbas, cada vez mais caquético, mais psicótico, ainda mais tirano, Che é o atalho romântico e que absolve os desencantados com Fidel. Se diminui a chama do culto a Fidel, resta Che para alimentar a ideia da Cuba romântica e revolucionária.

No entanto, Che foi muitas coisas. Umas celebradas, outras esquecidas.

Che foi um revolucionário fixado na ideia da revolução. E morreu a lutar. Mas, Che foi também o arrogante racista que se desencantou com os guerrilheiros africanos porque achava que aquela gente (os pretos) não tinha competência para combater (leiam-se os relatos do encontro de Che com os dirigentes da Frelimo). Che foi um autoritário derrotado e um desesperado pela sua utopia quando resolve empreender aventuras e não consegue ler o alheamento e a antipatia dos camponeses bolivianos (leia-se o seu diário da guerrilha boliviana e os depoimentos de seus companheiros). Mas, pior que tudo, Che também foi um carrasco e um assassino. Uma Fortaleza, após a tomada do poder pelos barbudos, dirigida pessoalmente por Che, transformou-se num matadouro onde se torturou e assassinou, sem sombra de julgamento, muitos opositores ao novo regime ou adeptos do regime deposto. Que fossem todos gusanos, o que está para verificar. Mas, mesmo que todas as vítimas de Che fossem fascistas e criminosos, ao torturá-los e fuzilá-los sumariamente, Che tornou-se pior que eles.

O vermelho que tinge a efígie de Che e dá cor de apelo nos cartazes iconográficos, aproveitando a célebre fotografia de Korda, é vermelho de revolução e é vermelho de sangue. Escorre de uma revolução que ganhou e das muitas que perdeu. Escorre do sangue que derramou no seu martírio. Mas escorre também do sangue com que Che encharcou as mãos e a consciência. Porque sangue é sangue.
Publicado por João Tunes às 00:09
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Fernando a 31 de Maio de 2004 às 04:37
Ai esta nossa tendência para endeusarmos homens que não passam disso mesmo: de homens com os defeitos e virtudes inerentes à sua condição humana. Subscrevo este brilhante post, João.
De jpt a 30 de Maio de 2004 às 19:52
é isso. bem postado
De Werewolf a 30 de Maio de 2004 às 16:22
Como é duro quando acordamos e espreitamos para lá dos nossos mitos e compreendemos, finalmente, que os nossos heróis também são os nossos algozes.
Como era bom continuar a viver à sombra do mito e acreditar na generosidade de um homem que afinal sofria das mesmas fraquezas que qualquer simples mortal.
Nem sei se estou a falar do Che ou de Cristo, ou outro qualquer herói. A fronteira entre o mito e a realidade é tão ténue que muitas vezes, senão sempre, o mito ultrapassa a própria realidade.
Obrigado por este clique meu caro João

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO